Método de Extração IV

Extraindo beleza

Extração por solvente

Extração por solvente é tecnicamente um processo mais custoso do que o da destilação, porém mais avançado: os aromas obtidos são muito representativos. É um método particularmente interessante para a extração de gomas e resinas usadas na indústria cosmética.Entretanto, não serve para tratamentos de aromaterapia. Existe uma possibilidade,mesmo que remota, de ficar traços de solventes no óleo essencial. Muitos desses solventes são tóxicos a inalação prolongada de apenas 100 ppm (partes por milhão) de benzeno é suficiente para causar uma intoxicação. Outros solventes usados na extração são: acetona, hexano e éter de petróleo.

Creio ser interessante conhecer este método para ter dados para fazer uma avaliação critica, caaso nos deparemos com óleos essenciais extraídos por solventes.

A extração por solvente funciona com extrator do tipo rotatório. Neste processo, usar-se o princípio da contracorrente. Tambores de 1325 litgros de volume com camisas de vapor revolvem num exiso horizontal. A camisa é um invólucro em volta do tambor por onde passa vapor quente. Os tambores são divididos em compartimentos com placas perfuradas que fazem um ângulo de 90 graus com o eixo horizontal.

Os operadores de produção colocam aproximadamente 140kg de flores no primeiro tambor. As flores são lavadas com 550 litros de éter de petróleo que já passou por mais dois tambores. A lavagem fieta dentro do tambor rotativo demora de uma a uma hora e meia.

O éter saturado com óleo bombeado para um destilador a fim de ser recuperado. As flores que permanecem no tambor continuam a ser tratadas por mais duas vezes, na primeira emprega-se esolvente que já foi usado; na segunda vez, emprega-se solvente que já foi usado; na segunda vez, emprega-se solvente (recuperado). Depois, as flores já exauridas são assopradas com vapor do solvente restante que não foi recuperado à pressão atmosférica.

Por ter sido usado vapor, a massa que fica sofre um processo de decantação ou centrifugação a fin de eliminar a água. O que sobra de tudo isso é uma massa semi-sólida que contém o óleo essencial, resinam cera e outros materiais corantes da flor. Se for mais parecida como uma cerea vegetal, chama-se concreto. Se for mais parecida com uma substância reisnosa, chama-se resinóide. Os resinóides se formam quando se está fazendo a extração de goma-resinas, bálsamo (oleosresinas) ou produtos de origem animal0.

Quando o concreto é tratado com álcool para separar a cera e as resinas, acaba dissolvendo, além do óleo essencial, também uma pequena quantidade de constituintes inodoros. Esses constituintes são glicerídios, hidrocarbonetos e uma pequeníssima porção de ceras que ficaram dissolvidas no concreto. A quantidade de materiais indesejáveis dissolvidos no álcool puro pode ser eliminada por resfriamento prolongado dessa solução. Usa-se para isso temperaturas negativas (normalmente -20C) e se faz uma filtração da solução posteriormente.

O líquido resultante desse processo que tem óleo essencial e traços de pigmentos da flor solúveis em éter é chamado de extrato alcoólico. Às , o extrato alcoólico é distilado ou evaporado do extrato, forma-se uma solução pastosa-oleosa chamada absoluto.

Retirado do livro Tudo sobre Aromaterapia
Adão Roberto da Silva
Editora Roka

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s