Métodos de Extração II

Enfloragem

Little colour by SolPeruibe

Little colour by SolPeruibe

“Pode haver pouca cor, mas a beleza reside em coisas simples”

Este método de extração doi desenvolvido pelos franceses na cidade de Grasse no sul da França para contornar uma dificuldade que tinham com a extração do perfume das flores. Existem certas plantas como o jasmim, a tuberosa (Polyanthes tuberosa), a gardênia, a angélica e a flor de laranjeira, a mimosa, o junquilho (Narcissus jonsquilla) em que a extração tem que ser feita a frio usando absorventes como a gordura para concentrar seus aromas, pois o calor poderia destruir o aroma tão delicado dessas flores. O absorvente tem a habilidade de segurar ou concentrar uma substância na sua superfície. Isso é importante porque a gordura tem que nos retornar o óleo essencial depois. A gordura pode ser de origem animal (gordura de porco) ou vegetal(manteiga de cacau ou de coco).

No método de enfloragem, basicamente, o que se faz é colocar uma camada de pétalas sobre uma camada de banha ou gordura depurada que repousa sobre uma placa de vidro. A gordura altamente purificada e inodora consiste normalmente de uma parte de sebo (duro) misturado à 2 parte de toicinho (banha de porco) com 0,6% de benjoim usado como conservante.

O processo é novamente repetido como se tivesse fazendo um sanduíche. É claro que , para evitar que o peso das camadas superiores esmaguem as camadas de biaxo, essas placas de vidro engorduradas e cobertas com pétalas são separadas por grades de madeira chamadas de chassis. Cada chassis tem 5 cm de altura por 40cm de largura e 50cm de comprimento. Essas grandes são empilhadas verticamente formando compartimentos herméticos.

A troca das pétalas é repetida periodicamente. A freqência depende da planta: pode ocorrer de três em três dias (angélica) até diariamente ao raiar do dia (jasmim). O processo para atingir o ponto de saturação, pode durar de 3 a 10 semanas. Após este período, a banha fica completament saturada com óleo essencial da flor. O que temos então é uma fordura entumecida com óleo essencial chamada de pomada. Ela pode ser usada assim mesmo como ungento ou ser diluída em álcool.Se diluída obteremos uma extrato alcoólico ou solução alcoólica, chamada simplesmente de extrato. Se evaporar o solvente alcoólico,  produziremos uma substância conhecida por extrato absoluto, absoluto da enfloragem ou simplesmente absoluto.

O rendimento baseado em 5 toneladas de material pode ir desde 140gr para óleo de violeta (viola odorata) até 800kg para óleo de cravo.

Extraído do livro
Tudo sobre Aromaterapia”
Adão Roberto da Silva – Ed. Rocca

2 comentários sobre “Métodos de Extração II

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s