Aromaterapia

Óleos essenciais para Rinite

Outro post bastante importante que gostaria de compartilhar. Lazslo como sempre bem informativa.

ÓLEOS ESSENCIAIS PARA TRATAR RINITE ALÉRGICA

A rinite é uma inflamação da mucosa nasal e, atualmente, é um dos problemas respiratórios mais comuns do mundo, atingindo 500 milhões de pessoas. Embora não seja motivada por nenhum micro-organismo, seus principais sintomas se assemelham aos da gripe, provocando espirros recorrentes, irritação dos olhos, coceira e obstrução das narinas e acúmulo de muco. Também pode desencadear níveis de fadiga e disfunção cognitiva, comprometendo a produtividade no dia-a-dia e a qualidade geral do sono.

Dentre os principais fatores que desencadeiam crises alérgicas estão: poeira, pelos de animais, mudanças climáticas, ácaros, cigarros, produtos químicos encontrados em materiais de limpeza e perfumes.

A Laszlo apresenta um estudo realizado em 2015 em Seul, na Coreia do Sul, onde investigou-se os efeitos da inalação de óleos essenciais na percepção subjetiva dos sintomas de rinite alérgica, bem como sua influência na qualidade do sono e níveis de fadiga, em voluntários com histórico de rinite alérgica prolongada.

O experimento envolveu um grupo de 54 pessoas, abrangendo homens e mulheres com idade entre 20 e 60 anos, onde nenhum dos participantes fazia uso de remédios para tratamento do problema.

Os óleos utilizados foram:
– Óleo essencial de sândalo
– Óleo essencial de ravensara
– Óleo essencial de olíbano

Cada participante inalou os três óleos essenciais misturados durante cinco minutos, a uma distância de 30 cm do nariz, com concentração de 0,2% diluídos em óleos de amêndoas. O procedimento repetiu-se duas vezes ao dia, as 10 da manhã e as 10 da noite, ao longo de uma semana completa.

Ao final do experimento, os pacientes tratados com os óleos essenciais apresentaram melhora significativa dos sintomas da rinite alérgica, especialmente na obstrução nasal, seguido da amenização da irritação dos olhos, diminuição dos espirros e fadiga.

As taxas apresentadas pelos voluntários para irritação do olho (rinoconjtivite) reduziram de 1.870 ± 0.561 para 0,714 ± 0,436, medidos um dia antes da inalação dos óleos e oito dias depois, respectivamente.

Entre os grupos tratados com placebo e aromaterapia, as taxas de melhora da coriza apresentadas entre ambos, ao final, foram:
PLACEBO: −0.630 ± 0.926
AROMATERAPIA: −1.000 ± 0.832

Os efeitos positivos podem ser explicados pela composição dos óleos essenciais utilizados para este experimento, que integram propriedades anti-alérgicas e anti-inflamatórias.

O 1-8 cineol, componente majoritário do óleo essencial de ravensara, é amplamente conhecido por suas atividades anti-inflamatórias, influenciando na produção de mediadores inflamatórios. O α-pineno, componente majoritário do óleo essencial de olíbano, reduz sintomas alérgicos e regula mediadores como a interleucina-4 (IL-4), citocina fundamental que atua em vários níveis do sistema imunológico. O óleo essencial de sândalo está associado a estimulação dos nervos parassimpáticos, produzindo um efeito relaxante e sedativo, auxiliando nos níveis de fadiga.

A sinergia entre os óleos essenciais apresentam atuação efetiva não apenas na amenização dos sistemas evidentes da renite alérgica, mas também auxiliam na recuperação de células sensibilizadas, acelerando o processo de recuperação e equilíbrio do organismo. Essas descobertas indicam consistentemente, que a aromateapia pode auxiliar e contribuir de modo eficaz e seguro para a diminuição dos sintomas de rinite alérgica, bem como outros aborrecimentos alérgicos.

GRUPO LASZLO

REFERÊNCIAS: EFFECT OF INHALATION OF AROMATHERAPY OIL ON PATIENTS WITH PERENNIAL ALLERGIC RHINITIS: A RANDOMIZED CONTROLLED TRIAL – DEPARTMENT OF NURSING, COLLEGE OF NURSING, CHUNG-ANG UNIVERSITY, 84 HEUKSEOK-RO, DONGJAK-GU, SEOUL 156-756, REPUBLIC OF KOREA – 2015

LASZLO
O Essencial em sua Vida.
www.laszlo.ind.br

Anúncios
Aromaterapia

ÓLEO DE BREU TRATA HIPERTENSÃO

Compartilhando com vocês essa newsletter da Lazslo sobre o Oléo de Breu Branco e o tratameto da hipertensão.

POTENCIAL USO DO ÓLEO DE BREU BRANCO NA HIPERTENSÃO

A hipertensão, popularmente conhecida como pressão alta, é uma doença que atinge 17 milhões de pessoas no Brasil. Segundo a Organização Mundial da Saúde, estima-se que em 2030, os problemas cardiovasculares serão responsáveis por ¾ das mortes no mundo.

Caracteriza-se pelo aumento da pressão sanguínea, provocado pelo estreitamento das artérias. Como consequência, o coração passa a bombear o sangue com mais força, danificando os vasos sanguíneos e podendo comprometer funções cardíacas e cerebrais.

Os principais fatores responsáveis pelo aumento da pressão são estilos de vida e hábitos alimentares desregrados. As medições consideradas preocupantes, para enquadrar uma pessoa como hipertensa, consiste na pressão arterial com valores iguais ou acima de 14 por 9 (140mmHg X 90mmHg).

Os medicamentos convencionais utilizados para o tratamento de doenças cardiovasculares possuem preços elevados e costumam provocar efeitos colaterais. Embora apenas o uso de medicamentos isolados não sejam suficientes para a melhora do problema, que também demanda mudanças de hábitos e alimentação saudável, novas alternativas fazem-se necessárias.

Os produtos de origem natural, como os óleos essenciais, representam uma fonte extremamente valiosa para a produção de novas terapias médicas. A limitação do uso de antibióticos e demais fármacos, tem motivado o interesse científico a confirmar os efeitos positivos de terapias complementares e alternativas, como o uso da Aromaterapia.

Uma pesquisa realizada em 2017 analisou, pela primeira vez, a atuação do óleo essencial de breu branco (Protium heptaphyllum), conhecido por suas extensivas aplicações terapêuticas, na redução da pressão alta.

O estudo realizado in vitro, envolveu roedores com contração induzida da artéria mesentérica superior (canal responsável pela irrigação sanguínea do intestino delgado, parte do pâncreas e intestino grosso) O óleo essencial de breu branco foi adicionado cumulativamente, em doses de 3 a 750 μg/mL, onde avaliou-se a atuação do OE a cada 0.5 (μ),g/mL adicionado.

Notou-se que o óleo essencial de breu branco foi responsável pelo relaxamento de vasos sanguíneos dos roedores, a regulação da frequência cardíaca e, consequentemente, da diminuição das lesões provocadas pelo aumento da pressão sanguínea. Seus resultados de atuação foram comparados com os efeitos do Verapamil, um dos fármacos mais utilizados para regulagem da pressão sanguínea.

Com a mesma dosagem de 0.5 (μ),g/mL), o óleo essencial de breu apresentou 125% de relaxamento dos vasos sanguíneos, enquanto o verapamil, demonstrou 80% de relaxamento.

breu_branco_-_leos_essenciais_verde_emporio

O relaxamento dos vasos sanguíneos acontecem, pois o óleo é capaz de bloquear os canais de cálcio, aumentando, por conseguinte, o reflexo da frequência cardíaca. O estudo, portanto, demonstra o potencial uso do óleo essencial de breu, como agentes promissores para o tratamento e prevenção de doenças cardiovasculares.

O breu (Protium heptaphyllum), também conhecido como amescla ou almecega, é uma árvore da família Burseraceae, fortemente presente na região amazônica, Bahia, Ceará e Piauí. O óleo essencial da planta é obtido a partir da resina retirada do tronco da árvore.

Entre os índios amazônicos é conhecido por ser um excelente descongestionante nasal. Suas aplicações terapêuticas são múltiplas, destacando-se como anti-inflamatório, cicatrizante, antioxidante e atuações antimicrobianas. No campo emocional desperta o relaxamento, induzindo a estados meditativos e de introspecção.

A Laszlo possui duas variedades do óleo: OE de breu branco, que possui aroma herbáceo mais acentuado, e o OE de breu preto, que possui um parecido com incenso.

Conheça nossos produtos em nossa loja virtual:

http://www.emporiolaszlo.com.br/oleo-essencial-de-breu-branco.html

Até a proxima

Sol

Aromaterapia

ÓLEOS ESSENCIAIS NOVOS NO MERCADO DE AROMATERAPIA 

lanyana.jpg

LANYANA
Artemisia Afra

A Lanyana também é conhecida como Artemísia africana ou absinto africano. é uma planta selvagem e nativa das regiões montanhosas da África do Sul, mas também é encontrada ao norte, em regiões como a Etiópia. Como outras artemísia, é um óleo medicinal forte e deve ser usado com cuidado.

O óleo de Lanyana tem uma nota superior poderosa com uma nota fresca e penetrante de cineol, seguida por uma nota de base picante e uma certa caracterísitca verde-herbal, sendo por isso, muito especial para perfumaria.

É um óleo de limpeza e anti-séptico usado para tratar uma grande variedade de doenças. Sua inalação é amplamente utilizada para resfriados no peito, bronquite, nariz entupido e dores de cabeça causadas por sinusite. A Lanyana é um óleo essencial que tem algumas pesquisas para apoiar seus efeitos anti-microbianos, anti-fúngicos e anti-oxidante.

Propriedades: Anti-helmíntico, anti-séptico, colerético, emmenagogo, febrífugo, repelente de insetos, narcótico, estimulante (digestivo), tônico, vermífugo, regulador do sistema hormonal feminino (menopausa, tpm).

Usos: Resfriado e gripe como um inalante, sabonetes anti-sépticos, sistema hormonal feminino (massagem e inalação), anti-fúngico (puro ou diluído na pele) e na perfumaria.

Misturas com: Musgo-de-carvalho, jasmim, flor de laranjeira, lavanda, jacinto.

Benefícios energéticos: Lanyana traz energia de cura cósmica para o peito e pulmões.

Contra-indicações: Este óleo não deve ser tomado internamente. Deve ser evitado seu uso em grávidas decido ao teor de artemísia cetona que possui.

Perfil cromatográfico do óleo de LANYANA da LASZLO:

1 α-thujeno 0.2
2 canfeno 0.3
3 α-felandreno 2.3
4 p-cimeno 0.6
5 1.8 cineol 13.0
6 artemisia cetona 74.3
7 linalool 1.8
8 α-thuiona 0.7
9 artemisia alcool 2.7
10 verbenol 0.2
11 carveol 0.3
12 nerol 0.4
13 β-cariofileno 0.2
14 germacreno D 0.5
15 biciclogermacreno 0.3
16 nerolidol 0.3
17 camazuleno 0.1
outros 1.9
mace[1].jpg

MACE 
Myristica Fragrans

O Mace é o aril vermelho (polpa de revestimento) que cobre a semente de noz-moscada. Jatiphala (como é conhecida na Indonésia) é uma árvore nativa das florestas tropicais da Indonésia e que leva cerca de 20 anos para dar frutos que contêm a semente de ‘noz-moscada’ e sua camada protetora ‘mace’.

mace.jpg

O mace é um óleo bem diferente do obtido da semente de noz moscada. Ele é bem mais complexo e de superior potencial antisséptico. Possui grande destaque de atividade anti-fúngica, além e anti-inflamatório também.

Óleos ricos em miristicina e elimicina, como o mace e a noz-moscada, estimulam o aumento da concentração de neurotransmissores no cérebro, como serotonina e melatonina, e com isso ajudam a melhorar estados depressivos, melancolia além de que se utilizado à noite em difusores ao lado da cama, pode favorecer sonhos “vívidos”.

Mace alivia a halitose, insônia, congestão, reumatismo, cólicas, indigestão, impotência, disfunções erétil, dismennorhea, asma, cefaléia, lombalgia, icterícia – aquece o corpo, estimula o coração, aumenta a circulação, ativa a mente e revive as pessoas de desmaios – estimula o sistema digestivo, combate gás, vômitos, diarréia e constipação; Combate os cálculos biliares e suporta o sistema reprodutivo. O óleo é anti-inflamatório, reduz o inchaço nas articulações e alivia dores e dores musculares.

dsc04443[1].jpgOs árabes usaram o Mace e a Noz-moscada desde a época medieval e comercializaram essas ervas carminativas e afrodisíacas em toda a Europa, auxiliando no tratamento da indigestão, impotência e ejaculação precoce.

A Medicina Tradicional Chinesa usa o Mace no tratamento de dismenorréia ou menstruação dolorosa, dor abdominal e problemas hepáticos.

Contra-indicações: Evite seu uso se estiver utilizando inibidores de MAO (monoamina oxidase), pois ele pode potencializar o efeito destes medicamentos.

Perfil cromatográfico do óleo de MACE da LASZLO:

1 α-thujeno 2.3
2 α-pineno 15.1
3 sabineno 13.0
4 β-pineno 12.1
5 mirceno 2.0
6 careno 0.6
7 α-felandreno 1.6
8 α-terpineno 1.5
9 p-cimeno 8.2
10 limoneno 7.1
11 γ-terpineno 2.5
12 terpinoleno 1.3
13 terpinen-4ol 9.1
14 α-terpineol 1.5
15 safrol 2.4
16 metil eugenol 3.1
17 miristicina 8.0
18 elemicina 2.1
outros 6.5
cinnamomum-camphora-006[1].jpg

ÓLEO DE CÂNFORA E SEUS QUIMIOTIPOS
(CÂNFORA BRANCA, RAVINTSARA, HO WOOD E HO LEAF)
A Cinnamomum camphora (L.) J. Presl, conhecida pelo nome comum de canforeira, é uma árvore de grande porte, que pode atingir os 20 m de altura, pertencente à família Lauraceae e ao género Cinnamomum, o mesmo da árvore que produz a canela. Esta árvore é nativa do Extremo Oriente, particularmente do Taiwan, do Japão e da China meridional. A espécie é rica em óleos essenciais, sendo cultivada como árvore ornamental e para produção de cânfora.
Esta espécie, em se tratando de óleo essencial, é muito versátil. Possui 3 quimiotipos principais que são comercializados ativamente em todo o mundo.
QUIMIOTIPO CÂNFORA (ÓLEO DE CÂNFORA BRANCA)

camphor-tree-herb-img[1].jpg

A árvore deste quimiotipo é chamada na China HON SHO, mas aqui no ocidente recebe apenas o nome de CÂNFORA. O óleo essencial é produzido por destilação a vapor da madeira, raízes e galhos, e então redestilado sob vácuo e filtrado para produzir três frações que são conhecidas como branca, amarela (ou laranja) e vermelha (ou marrom), frações estas, obtidas em tempos de destilação diferentes, como com o ylang ylang. A cânfora branca é fração mais leve (conseguida a baixa fervura), de pouca cor indo do amarelo pálido transparente e possuindo um forte aroma canforáceo. A cânfora vermelha é a fração do meio. A cânfora amarela, de cor amarela ou verde-azulado, é a mais densa.
A cânfora amarela e a vermelha são ricas em safrol. Devido ao safrol ser um componente tóxico, somente é comercializado na aromaterapia o óleo de cânfora branca, livre de safrol.
Vale destacar que a cânfora em pedrinhas compradas em farmácias, é sintetizada pela reação de pineno com acetona. Não possui a complexidade do óleo essencial.
A cânfora branca é empregada geralmente em problemas das vias respiratórias como sinusite, catarro, peito cheio e congestionado. Também tem propriedades estimulantes da circulação local, por isso muito empregado dentro da estética para tratamento de celulite e varizes. Em massagens tem utilidade no tratamento de tensão muscular, assim como luxações e dores articulares. Também é antisséptica e possui algum potencial anti-inflamatório pequeno. Costuma dar um bom resultado na acne, reduzindo o excesso de oleosidade da pele. Seu alto teor de cânfora mesclado ao cineol, permitem a este óleo possuir um efeito estimulante cerebral, auxiliando na memória e alívio de cansaço mental. É um efeito similar ao do Alecrim. Este óleo essencial, deve ser evitado em hipertensos.
Perfil cromatográfico do óleo de CÂNFORA BRANCA da LASZLO:

1 α-pineno 6,2
2 canfeno 4,9
3 β-pineno 0,3
4 p-cimeno 14,4
5 1,8-cineol 24,7
6 limoneno 24,4
7 canfora 23,6
QUIMIOTIPO LINALOL (ÓLEO DE HO WOOD OU HO LEAF)
cinnamomum-camphora-foliage[1].jpg
A árvore deste quimiotipo é chamada na China de HO SHO. Quando retirado da madeira o óleo é vendido sob o nome de HO WOOD, e quando retirado das folhas, é chamado de HO LEAF. Seu destaque é o teor de linalol, que o torna muito semelhante ao óleo de pau-rosa, do qual é o substituto.
É um óleo muito calmante, que reduz a ansiedade, tensão e agitação. Excelente para uso em difusores de noite para combater a insônia. É um potente regenerador e calmante da pele, útil na cicatrização e redução de irritações, sendo interessante para retardar o envelhecimento da pele madura.
Você pode considerar que a maioria dos usos que poderia ter com o óleo de pau-rosa e o de lavanda, você consegue obter de forma similar com o óleo de HO.
O alto teor de linalol confere a este óleo qualidade imunoestimulantes e, diferente da cânfora branca que pode aumentar a pressão arterial, o HO é hipotensor, regulando e melhorando os problemas de hipertensão arterial em homens e mulheres.
Seu aroma é especialmente agradável, tendo qualidades equilibradoras das emoções, do corpo e da mente.
Perfil cromatográfico do óleo de HO WOOD da LASZLO:
1 β-pineno 0.1
2 limoneno 0.2
3 terpinoleno 0.6
4 linalool 98.1
Obs.: A composição do óleo de ho wood e do ho leaf é muito similar, podendo serem usados um em substituição ao outro.
QUIMIOTIPO 1,8-CINEOL (ÓLEO DE RAVINTSARA)
huile-essentielle-ravintsara-bio-06 (1).jpgNo século XIX os Chineses colonizaram Madagascar e levaram para esta ilha algumas espécies botânicas típicas da China. O ylang ylang e a cânfora foram duas das espécies asiáticas introduzidas neste país. Quando a canforeira começou a ser destilada em Madagascar, devido provavelmente às condições climáticas distintas da Ásia, ela deu origem a um óleo com menor teor de cânfora e maior de cineol. A presença de outros componentes, tornaram a ravintsara mais complexa e de ação antisséptica superior à sua parente asiática, a cânfora branca, assim como ao próprio óleo de eucalipto.
É um bom expectorante, possui usos parecidos com os óleos de niaouli, cajeput e eucalipto glóbulus.
É importante não confundir o óleo de ravintsara com o óleo de ravensara. Enquanto a ravintsara possui o nome botânico Cinnamomum camphora, o nome botânico da ravensara é
Agathophyllum aromatica. O óleo de ravensara aromática é um potente antiviral e antibiótico natural, superior ao óleo de ravintsara.
Perfil cromatográfico do óleo de RAVINTSARA da LASZLO:
1 α-thujeno 0.1
2 α-pineno 9.6
3 canfeno 1.6
4 sabineno 1.3
5 β-pineno 4.0
6 mirceno 0.7
7 p-cimeno 8.8
8 limoneno 13.6
9 1,8-cineol 32.4
10 γ-terpineno 0.3
11 linalool 5.0
12 canfora 12.3
13 terpinen-4-ol 3.9
14 α-terpineol 0.7
15 β-elemeno 0.6
16 β-cariofileno 0.5
Textos: Fábián László
ate mais
Aromaterapia, Óleos Essencias, Ficha Técnica

ÓLEOS RAROS DO PERU

Olá 🙂 Recebi a newsletter da Laszlo e achei muito interessante essa informação sobre os óleos raros do Peru.
Confirma a informação!!
A altitude onde estas plantas crescem geram óleos de qualidade únicas quimiotipadas somente encontradas nesta área do planeta.

Ambas, ervas conhecidas como poejo-dos-Andes. Possuem alto teor de pulegona, componente típico do nosso poejo, mas com o diferencial de possuir elevado teor de mentona também. Nas montanhas elevadas do Peru, crescem espontaneamente estas ervas que são empregadas contra o mal das alturas. O seu óleo essencial é inalado e passado na testa e nuca visando combater o mal estar dos viajantes. São óleos analgésicos e expectorantes, com ação parecida com a do poejo e do hortelã-pimenta.

unnamed (1)
OE MATICO (FALSO – JABORANDI) GT PERU 10,1 ML Piper aduncum

Matico é o nome dado no Peru a uma planta conhecida no Brasil como falso-jaborandi ou aperta-ruão. O quimiotipo da floresta amazônica Peruana é rico em ocimeno e cineol, não sendo tóxico como outros quimiotipos ricos em safrol. A presença elevada de ocimeno neste óleo o faz ter um agradável e diferenciado aroma cítrico, muito especial para perfumes. Ao ocimeno são creditadas propriedades antifúngicas, além de ser um feromônio produzido pelas abelhas para inibir na colméia, a formação de ovários em abelhas obreiras. É um óleo relaxante e anti-estresse.

unnamed (2)
OE MURTA DOS ANDES ( ARRAYÁN ) GT PERU 10,1 ML Luma chequen

Luma Chequen é uma planta nativa da região dos Andes entre o Chile e a Argentina sendo uma espécie arbustiva. Seu óleo essencial possui alta concentração de alfa-pineno, o mesmo princípio ativo do óleo de pinheiro silvestre. O a-pineno possui ação benéfica na inibição das enzimas envolvidas na degradação das cartilagens, sendo benéficos óleos ricos nesta molécula, no tratamento da artrose e osteoporose, uma vez que também auxilia na recalcificação óssea [Leia mais em:http://laszlo.ind.br/campanhas/As-Mumias-Contam-o-Segredo-dos-Ossos-Fortes-dos-Faraos.pdf]
 A murta-dos-Andes ou Arrayan, tem suas folhas utilizadas na  medicina popular em infusões, para o tratamento de reumatismo, gota, tosse e diarreia.
 Foi identificada propriedade antimicrobiana deste óleo essencial contra Escherichia coli ATCC 25922, Staphylococcus aureus ATCC 25923, Proteus vulgaris CECT 484 CECT 1394 Candida albicans, Cryptococcus neoformans CECT 1078, Cladosporium Cladosporium e Aspergillus fumigatus CECT 2111 CECT 2071, estes resultados justificam o uso desta planta na medicina tradicional. Além disso este óleo também é rico em propriedades antioxidantes. Veja mais em: http://cybertesis.unmsm.edu.pe/bitstream/cybertesis/3605/1/Torres_cj.pdf
http://web.minsal.cl/sites/default/files/files/Libro%20MHT%202010.pdf

unnamed (3)
OE PETITGRAIN LIMÃO RUGOSO GT PERU 10,1 ML Citrus jambhiri

Este limão se destaca por suas cascas rugosas. O óleo essencial de suas folhas é rico em d-limoneno, mas a presença de certa concentração de ocimeno, geranial, neral e linalol, fazem com que ele tenha uma aroma muito especial diferenciado de outros petigrains.
unnamed (4)
OE PETITGRAIN POMELO GT PERU 10,1 ML Citrus maxima
O Pomelo é a maior fruta cítrica do mundo. Seu óleo essencial se assemelha muito ao óleo das folhas do limão rugoso, contudo a presença de eugenol e citronelal criam um perfume especial neste óleo.

unnamed (5)
OE VERBENA LIMÃO ( CEDRÓN) GT PERU 10,1 ML Aloysia triphylla

A verbena-limão, ou cidró, cidrão, Lúcia-lima, é uma erva arbustiva muito empregada na forma de chá. Seu óleo essencial é raro ser encontrado no mercado sendo rico em citronelal, citronelol, limoneno, citral entre outros. É um óleo muito antiinflamatório, de propriedades antifúngicas, além de útil no alívio de dores. No emocional acalma, reduz o estresse e a ansiedade.
 Clique aqui, e tenha acesso as cromatografias destes óleos novos da LASZLO: http://goo.gl/Tz1x4b
ate mais